Cartolas eternos

Duas semanas atrás, uma audiência da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado discutiu dois projetos em tramitação na casa que pretendem limitar o mandato de dirigentes de entidades esportivas. A questão está diretamente relacionada com todas as recentes controvérsias e acusações envolvendo dirigentes de entidades esportivas como a CBF e o COI.

Governança, profissionalização e transparência são todos temas atuais da política que têm também sido discutidos no âmbito esportivo. A questão é que não é tão fácil assim impor certo nível de transparência e accountability a entidades esportivas, que gozam de autonomia relativa segundo à Constituição. A possível solução não seria criar uma lei que proíba presidentes de federações e confederações de se manterem no poder eternamente, dispositivo que poderia ser considerado inconstitucional. A melhor opção seria então vedar o repasse de verbas públicas para entidades que permitissem esse tipo de prática, o que teria efeito considerável já que grande parte das entidades brasileiras dependem de verbas públicas. O advogado e ex-atleta Alan Pessotti discute as alternativas legais para mudar essa realidade em texto publicado no Blog do José Cruz. Vale à pena conferir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: